terça-feira, 3 de março de 2009

desemprego

imagem google
.
sem regras, o sono fugia-lhe.
levantava-se e esquentava o café.

de dia, recorria às memórias para combater o ócio.
ainda ouvia o som dos telefones.

.

5 comentários:

Silvio Vasconcellos disse...

O sarcasmo de Mafalda com a percepção que esse texto tem são uma ótima combinação. O desemprego... esse mal que ronda o trabalho; o ócio... tantas vezes lamentamos não tê-lo e quanto o temos é um vazio tão grande que nossa mente se recusa a aceitá-lo.
Triste mundo esse em que tantos já morriam de fome (que poderia ser resolvida com alguns trocados, comparados aos trilhões que ora são usados para repor lucros dos banqueiros do "Cassino" Global) e agora vagam em filas de desespero, mendigando um prato de comida.
Quem viu a reportagem sobre os brasileiros que foram para o Japão, que trabalhavam de sol a sol, e agora viraram a escória, o lixo humano, degradando-se em condições que nem nas favelas brasileiras se vê, entende bem o que quero dizer.

Aninha, que saudades de ti...

Priscilla Valdragon disse...

amo os quadrinhos da Mafalda!
inteligentes, politicos, muitas vezes sarcasticos, e o mais importante, faceis de intender! qualquer um pode ler! ^^

~pi disse...

ai mafalda!! :)

( nem se vê

que-outro-in-dica-dor

pos-sa-ser!





~

heretico disse...

excelente. vale mil discursos...

abraço

Everaldo Ygor disse...

Viva o ócio!
Abraços saudosos
Everaldo Ygor