quarta-feira, 6 de outubro de 2010

O monstro embaixo da cama

Duvidei dos seus poderes e da sua existência, estendi a mão trêmula e sentencie:
- Se existe mesmo, pegará minha mão.
Senti o calor e o toque mais quente que alguém com seis anos é capaz de imaginar.

Um comentário: