quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

O Essencial



 
Guardou tudo que tinha. Roupa, sapatos e objetos. Ao empilhar as malas percebeu que não tinha para onde ir. Ficou.
Aos poucos, foi descobrindo do que, de fato, necessitava. Deu todo o resto. 
 

5 comentários:

SV disse...

Estou numa fase dessas!

Angela disse...

Que bom Silvio! Eu também com a consciência do tempo restrito...

eucontista disse...

O desapego é muito bom!
Um amigo, tecnico em eletronica, ao querer organizar suas coisas tentava lembrar o que tinha em cada caixa. Assim, jogava aquelas em que não havia nada de bom, ou, nada que lembrasse. Para ele "se fosse importante, lembraria". Nunca confiei tanto na minha memória assim hehe.Prefiro como no conto, ir conferindo oq eu preciso.

Isabela Xavier disse...

Livrar-se do supérfluo, em todos os sentidos: um exercício necessário e por vezes difícil. Gosto dessa limpeza, faz bem.

~pi disse...

excelente: texto e decisão! :-)





~