domingo, 23 de outubro de 2011

No mínimo, um novo desapego


E agora? Aqueles delicados botões que estavam quase a florir, quando teu olhar no meu pousou, virarão pétalas secas? Voando por aí sem qualquer direção. É isso? O pôr-de-nós aconteceu?

Convidada de Domingo:
Mallu Blues
Mallu Blues é visitante e não tem blog. Ainda. 

4 comentários:

Silvio Vasconcellos disse...

Lindo... O pôr-de-nós muitas vezes parece o fim da poesia. Até que novas cores surjam...

J.R. Lima disse...

Lindo, isso.
O por-de-nós, como o por-do-sol é o nascer de algo, o dia se vai, a noite cai e logo chega a aurora de um novo... "nós"?

Evilanne disse...

Lindo mesmo!
Entendi que o "pôr-de-nós" seria o fim do sentimento que, aos poucos, foi secando como pétalas de botões de rosas. Tantos são os sentimentos passageiros como as rosas; tantos relacionamentos acabam rapidamente como um pôr-do-sol...

Olhar... disse...

Dói quando O "pôr-de-nós" vem antes do florescer dos botões...