domingo, 30 de outubro de 2011

O Mercador de Afeto



Ostentava riqueza

Comprava amor

Da solidão era refém

Do afeto era mercador

Convidado de domingo:
Thiago, do blog:

7 comentários:

J.R. Lima disse...

pouca gente entende:
nada disto se compra,
nada disso se vende.

como negociar a sombra
se é a luz que surpreende?

Thiago Correa Silva disse...

Lindo Jr Lima!!!

Esse é o fragmento de um poema meu chamado o Mercador de Afeto, se quiser ler completo entra no meu blog
transcendenciadigital.blogspot.com

Abs,

Thiago

Angela disse...

Parece que o que esta pessoa compra não é amor. Se fosse, não seria comprado e ele não se sentiria só.
Palavrinha distorcida esta: amor- não é?

Angela disse...

Ih! fechei e esqueci de dizer que também gostei muito de seu poema, embora eu ame uma sombra! Ela me surpreende mais que a Luz!

Thiago Correa Silva disse...

Oi Angela,

Tudo bem?

Dessa vez não alcancei o seu raciocínio, mas como eu havia dito esse é fragmento de um poema chamado O Mercador de Afeto, talvez eu devesse mandá-lo completo, mas como iria fugir a proposta do miniminimos, me senti inibo. Assim que vc tiver um tempinho dá uma olhano no transcendenciadigital.blogspo.com, será uma alegria ter a sua visita, ou qualquer coisa que vc queira publicar, assim como podermos debater sobre essas questões.

Abs,

Thiago

Thiago Correa Silva disse...

Desculpe os erros de digitação, o teclado está ruim.

transcendenciadigital.blogspot.com.

Angela disse...

Thiago, já fui e volto em seu espaço com prazer. Quanto a este, eu comentei sobre o trecho que postou aqui. Acho que se pode comprar companhia, sexo, e sei lá mais o que, mas não considero que nada disto seja amor. Este não se compra.
Quanto à sombra, tem a ver com o que escreveu o J.R. Lima - por vezes, na sombra se encontram qualidades impensadas, enquanto a Luz... pode ofuscar! Só isto. Espero que agora esteja claro, mas com um pouco de sombra...:))))