sábado, 9 de julho de 2011

Ânsia de escritor

Julio Cortázar em seu escritório


dias trancado no quarto, não come, não dorme.

A mulher, aflita, bate à porta.

- Estás bem?

- Não, tenho ânsias de vomito.

- Então saia, vem ao banheiro, te ajudo.

- Não, basta-me papel e lápis!

5 comentários:

dudv disse...

Lindo!

Evilanne disse...

Adorei! Simples, direto e verdadeiro.

Angela disse...

Dudv, lembra que escrevi este para você?

Evilanne,
obrigada pelo apoio!

Silvio Vasconcellos disse...

Ângela, escreveste também para mim!

Júlio Cortazar foi o escritor que me mostrou que o que penso também pode ser lido.

Angela disse...

Então que seja. Eu acho Cortázar sem limites, nada se aproxima.