sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Despedida




Estou aqui. Senta-te ali e me percebe, consegues? Procura ouvir meu cheiro e sentir meus movimentos, veja o que te digo e assim que estiveres satisfeita, segue. Leva-me contigo. Assim, jamais estarei morto.

3 comentários:

Silvio Vasconcellos disse...

A incógnita passagem deixa lembranças aos que ficam... São recordações que perpassam os sentidos e nos pegam desprevenidos...
Quem deixa lembranças não morre na alma de quem fica.

Angela disse...

Sim, Silvio, por isso os sentidos estão todos em desacordo com os padrões humanos e, segundo penso, a eternidade é alcançada por aqueles cuja memória se perpetua em muitos outros.
Obrigada pela leitura.

Olhar... disse...

Sinestesia...
Se os órgãos sensoriais se confundem na matéria, e existem... a vida não se confundiria com a morte e continuaria na eternidade?
Pobre São Tomé...
Rss