sexta-feira, 8 de agosto de 2008

TEMPO

Foto: Google
Ele gira, gira, gira...
Ao voltar no mesmo lugar
Perfura quadros-de-giz,
para não mais
Ser escrito.

8 comentários:

* hemisfério norte disse...

bê - á - bá
na folha de ardósia

lição
escrita


bj
a.

Silvio Vasconcellos disse...

Lembrou-me da aflição dos primeiros anos... copiando a matéria antes que se desintegrasse em pó de giz.

ED CAVALCANTE disse...

CARA, COINCIDÊNCIA, ACABO DE ESCREVER UM POST SOBRE SALA DE AULA. MAS NÃO MINIMALIZEI, DESCI A LENHA! A LOUSA DEVERIA SER INTERATIVA, NÃO IMPERATIVA!

ֹmarcos coletta disse...

porque pra mim, o desafio do poeta, é apreender a imensidão num mínimo de palavras

são ótimas as suas pílulas poéticas.

danisiinha disse...

aprisionar o tempo em letras , em minimas letras... porém grandes idéias.... adoreiiiiiiiiii isso aqui everaldo! muitoooooo!parabens

amandaedalete disse...

Adorei o blog!
É bem complexo.

blog disse...

Mas não é ele que se repete, como a História?
E o que escreve que não sabemos ler?

julia disse...

=O