quarta-feira, 4 de junho de 2008

Provocação

Meninos no balanço de Candido Portinari


Ele falou pra não pisar que quebrava.Pisei forte, sorrindo.Não agüentou e pisou também, com medo. Apanhou e ficou de castigo, não devia quebrar a bengala da Dindinha.

7 comentários:

Sílvio Vasconcellos disse...

Quando era criança não entendia bem porque chamavam de "fazer arte" essas peraltices da infância.
Hoje, concluo que o mesmo elemento de curiosidade e descoberta que movia-me para a transgressão dos limites das regras é o que me faz escrever.
Portanto, continuo fazendo arte, mesmo que seja para consumo próprio... quebrando as bengalas da mesmice.

Nadja Reis disse...

Belo texto!Ihhhhh,quando eu era criança o capeta perdia pra mim!rsrsrs...

alex pinheiro disse...

Nunca esquecem o que fazemos,,, pra lembrar-nos culpados, capetas e caçados,,, até quando nascer um filho mais novo, rs

Abraços e "inocentes" invenções!

* hemisfério norte disse...

:)
criança é incompreendida mesmo, ahaha
bjs
a.

J.R. Lima disse...

Crianças sempre se sentem injustiçadas, principalmente quando são injustiçadas mesmo...

ֹmarcos coletta disse...

o impulso!!!

e q importa o castigo, se o prazer é que move a gente?

ótimo!

Ricardo Rayol disse...

sacanagem