quarta-feira, 14 de maio de 2008

Drunk

.
Kadinski
.

Vomitava o que nem pensava ter comido. À beira da rua, apoiava uma mão no poste e a outra segurava a garrafa. Limpou a boca na manga e voltou ao bar. Queria esquecer o que nem lembrava mais.

6 comentários:

* hemisfério norte disse...

eu quero lembrar o q esqueci :)
bjs
a.

Miss Always Invisible disse...

É incrível como 200 caracteres podem dizer tanto. Adorei o blog e já é um de meus favoritos.

Sobre o post: Um porre é um porre, mas a bebida não costuma cuidar de feridas, apenas anestesiar a dor.

jguerra disse...

Concordo com miss always invisible... a bebida não cura, apenas disfarça. Elas estão lá e voltam sempre com mais força.
Um abraço

Ricardo Rayol disse...

um bêbado digno esse.

Leila Saads disse...

O problema é que o esquecer é momentâneo...

Beijos! =*

Pedro disse...

Beber para esquecer não é uma boa solução. Que o diga o fígado.