segunda-feira, 12 de maio de 2008

Voltar no tempo

.
.
Tentou lembrar qual seria sua memória mais antiga. Concentrou-se e foi voltando no tempo. Terminou numa terna sensação de aconchego e logo lembrou-se do colo absoluto de sua mãe.

.

7 comentários:

* hemisfério norte disse...

busco-te, mãe
para repousar
minha cabeça em teu ombro.
chorarei mudamente as minhas mágoas - para que sofra só eu.
- saudades da minha mãe -
----
delicioso o teu post
bjs
a.

Leila Saads disse...

Minha memória mais antiga é um sonho. Não lembro do colo da minha mãe, pelo menos não conscientemente...

=*

Yara disse...

O mundo precisa
de partos
transformações
de colos de mães...

Ranzinza disse...

Graças a vc, vou voltar às minhas micro-narrativas.

~pi disse...

e recostou-se

confortavelmente

na parede

uterina ~

Oliver Pickwick disse...

Pequeno e grandioso. Uma volta à mais essencial das mulheres.
Útil para ler e deleitar-se simplesmente; assim como, revolucionaria como o texto de um comercial de um produto qualquer, no Dia das Mães.
A poesia flerta com o marketing. Contudo, sem nenhum desmerecimento da arte poética contida no poema. Bem entendido, prezado Sílvio?
Um abraço!

Pedro disse...

E tem lugar melhor?